The Pelicano Brief


Sinopse:

Abraham Rosenberg, juiz da Suprema Corte, 91 anos, é uma lenda viva do Supremo e, provavelmente, o homem mais odiado da América. Ele está em sua casa, dormindo, quando recebe tiros com silenciador na cabeça. Horas depois, o mesmo assassino dirige-se para um cinema gay. Lá, assistindo a um filme porno, está o mais jovem juiz da Suprema Corte, Glenn Jansen. O matador internacional, homem de muitas faces, idiomas e que nunca deixa pistas, liquida Jansen sumariamente, estrangulando-o. O país espanta-se. O presidente quer saber se há alguma agência, operação ou grupo ligado ao caso. A CIA e o FBI não têm ou não querem dar as respostas. Darby Shaw, uma brilhante e bela estudante de Direito acredita poder encontrá-las. Aluna e amante de Callaham, professor de Direito Constitucional e defensor entusiasmado das ideias do juiz Rosenberg, Darby inicia uma investigação por conta própria sobre os assassinatos nos computadores da biblioteca da faculdade. Descobre, então, uma conexão entre os dois juízes mortos e um suspeito, em cuja probabilidade de culpa ela mesma não acredita muito. Guarda sua pesquisa numa pasta que ganha o nome de dossier Pelicano. Mas o dossier termina percorrendo um caminho inesperado e é lido por pessoas que dão muita importância às conclusões de Darby. A partir daí, tem início uma sofisticada perseguição, cujo objetivo é eliminar Darby. Uma bomba erra o alvo e mata Callaham no lugar da moça. O jogo mortal está declarado. Numa outra ponta da trama está Gray Grantham, um repórter sério e ético do Washington Herald. Ele também está intrigado com a simultaneidade dos assassinatos e sua matéria corajosa sobre o assunto chama a atenção de Darby – e dos mandantes dos crimes. Ela procura o repórter. Juntos, eles desaparecem de circulação, tentando sobreviver enquanto buscam a verdade do dossier Pelicano. Baseado no livro "The Pelican brief" (1992, O dossier Pelicano) do escritor americano John Grisham.

Direção e Roteiro de Alan J. Pakula, com Julia Roberts, Denzel Washington, Sam Shepard, John Heard, Tony Goldwyn, James Sikking, William Atherton, Robert Culp, Stanley Tucci, Hume Cronyn, John Lithgow, Anthony Heald, Nicholas Woodeson, Stanley Anderson e John Finn. Produzido pelo estúdio Warner Bros. Pictures. IMDB

Trailler:


Apesar de já ter visto este filme à bastante tempo, só agora escrevi o post do mesmo. Foi um filme que me prendeu desde o início, vale a pena ver.
Apesar de já ter ouvido falar de John Grisham, ainda não li nada dele, algo que pretendo fazer.

Speak to me - Amy Lee

Adoro!


Gosto bem mais desta que da "Love Exists".

Be still, my love
I will return to you
However far you feel from me
You are not alone

I will always be waiting
And I'll always be watching you

Speak to me
Speak to me
Speak to me

I can't let go
You're every part of me
The space between is just a dream
You will never be alone

I will always be waiting
And I'll always be watching

We are one breath apart, my love
And I'll be holding it in till we're together
Hear me call your name
I'll just speak

Speak to me
Speak to me
Speak

I feel you rushing all through me
In these walls I still hear your heartbeat
And nothing in this world can hold me back
From waking through to you

We are one breath apart, my love
And I'll be holding it in till we're together
Hear me call your name
Just believe and speak

Speak to me
Speak to me
Speak to me

Freedom Makeup - Today's Tonight's eyeshadow palette

Comprei esta palete de sombras há algum tempo (em dezembro, talvez), isto, porque a que usava antes (Technic) já estava sem validade e precisava de a substituir.

Freedom - Today's Tonight Pro Decadance (10€)
Estava indecisa entre comprar esta palete e a The Blushed Nudes da Maybelline. Não conhecia a marca e, acabei por fazer uma pequena pesquisa sobre ela para perceber se valia a pena.

The blushed nudes - Maybelline (12€)
A Freedom Makeup é uma marca profissional de maquilhagem com preços acessíveis. 

Por enquanto o único produto que uso deles são mesmo estas sombras e, estou bastante satisfeita com a qualidade das mesmas, têm uma boa duração e pigmentação e, tal como o nome indica dão para criar visuais tanto para o dia a dia como para a noite, para o tipo de maquilhagem que costumo fazer, tem as cores ideais (na da Maybelline sinto falta de um preto p.e. e descobri que a gama The Blushed é constituída por quatro paletes).

A caixa de sombras
O que gosto nesta palete é o fato de trazer sombras mate e sombras shimmer. Os tons são os beiges, rosas, castanhos, pretos, cores bastante básicas até, mas que para mim são as que resultam melhor.

Não sou pessoa para ter n paletes de sombras, prefiro ter poucas (neste caso só uma) mas que tenha tudo o que preciso e com qualidade, do que ter 50 e acabar por não usar nada daquilo; fujo também daquelas paletes que trazem uma 50 cores porque a grande parte delas são cores que não uso e nem sempre a pigmentação é a melhor.

As sombras
Nas lojas físicas é difícil encontrar todos os produtos deles (ou pelo menos uma boa parte), mas por vezes fazem promoções no site deles e os produtos ficam ainda mais em conta.

Se tivesse comprado isto hoje através do site, quase pelo mesmo preço, comprava a palete e mais produtos.


Uma coisa que gostava de perceber é a necessidade das pessoas em fazer bagunça e de abrir embalagens sempre que vêm algum produto barato, onde a comprei, marcas como a Maybelline, Rimmel, Bourjois, estavam arrumada em condições, mas esta encontrava-se numa bagunça, com algumas embalagens abertas, já nos saldos, fazem o mesmo nas lojas de roupa.

Valentine's mood


Pulp Fiction


Pulp Fiction, é um filme que sempre me despertou curiosidade e, só recentemente é que o vi. Adorei o filme, fiquei viciada na banda sonora e, foi assim que comecei a ver outros filmes de Tarantino e a ficar viciada.


Pulp Fiction, é um filme de Quentin Tarantino, lançado em 1994. O título do filme, é inspirado nas revistas Pulp, populares durante a metade do século XX e caracterizadas pela sua violência gráfica, pelos seus diálogos ricos e eclécticos, a mistura irónica de humor e violência, narrativa não-linear, alusões a produções cinematográficas e referências à cultura pop.

Este filme, retrata três história diferentes, que se interligam, sobre dois assassinos profissionais, o seu chefe e a sua esposa; um pugilista pago para perder uma luta e; um casal que assalta um restaurante. Estas história são retratadas de forma não cronológica, é certo que em algumas alturas ficamos um bocado perdidos, mas no fim, tudo faz sentido.

A violência, as drogas, são tratadas como algo normal na vida das personagens e, com algum humor negro.

A banda sonora do filme é espectacular, prende-nos ao ecrã e, somos capazes de ficar com as músicas na cabeça durante dias.

"Never can tell", Chuck Berry

A já conhecida cena de dança, fiquei com esta música na cabeça durante dias, por vezes dou por mim a cantar parte do refrão.
"C'est la vie, say the old folks
It goes to show you never can tell"


A soundtrack do filme:

La La Land - Melodia do amor


Não sou a maior fã de musicais, e desde que ouvi falar deste filme, sempre me interroguei se merecia assim tanto destaque.

O filme retrata a história de Mia e Sebastian, Mia é atriz e Sebastian pianista de jazz, ambos perseguem os seus sonhos e procuram fazer com que o seu relacionamento funcione. após o esforço em função dos seus sonhos, ambos conseguem aquilo porque tanto lutaram, mas percebem que com a vida que vão ter, que o relacionamento não vai funcionar mais. Passados 5 anos e com carreiras de sucesso,  reencontram-se e vemos com tudo seria se não se tivessem separado.

É um filme que vale a pena ver, apesar da temática dos sonhos e o amor ser um tanto cliché,  a verdade é que este filme aborda-os sem os tornar demasiado cliché. Claro que quem o foi ver apenas pela história, vai ficar desiludido. O filme é lindo, pelos planos, pela banda sonora, pelos cenários.



Acabei por ficar viciada nesta música. É linda.

É mesmo...