A estupidez humana não tem limites


Não consigo achar normal queimar um gato, juro que não e, fazer disso espectáculo, muito menos. Que tipos de atrasados vão assistir e regozijam-se com a cena? Infelizmente, num país onde temos por "tradição" espetar ferros em touros, não é de admirar que haja mais "tradições" bárbaras.

O que eu consegui sentir, foi nojo, muito nojo, e um grande desprezo.


Uma grande lição de amor

"Quando eu morrer vai o caixão cheio de amor, serviços que lhes dei e recebi deles. Não dei só, eles também dão. Eles às vezes dão amor que ultrapassa o nosso."
Sem dúvida um grande senhor. Houvessem mais pessoas assim e, o mundo era sem dúvida um lugar melhor. Se parássemos de pôr rótulos e de julgar as pessoas, já era um grande começo.

Personagens que encontro na rua

Está uma pessoa a ir para a rodoviária e, precisa de levantar dinheiro para o bilhete, decide ir à caixa multibanco que fica em caminho e, encontra-se já alguém a utilizá-la. Aproxima-se,  e começa a ouvir o fantástico "desabafo"  (não estava a falar propriamente baixo) de quem lá está. Era um chorrilho de asneiras, bem, deve ter percorrido tudo o que era asneira e ofendendo tudo o que era possível e imaginário. Felizmente que demorou pouco tempo, e, enquanto descia a rua, lá continuava com o seu maravilhoso discurso...aos berros.

Não sei, mas isto parece uma terra de malucos. Com todos as personagens deste género que de vez em quando encontro na rua, bem que podia começar uma caderneta.

Com uma música destas

"Rosa charmosa, é um bocado mentirosa"
Sim, isto é a letra de uma música.

Aqui ao lado é festival da sardinha/frango (é um dos dois, mas não sei o qual) e, eu uma amiga vamos encontra-nos com uns amigo nossos,  e pelo caminho, apanha-mos uma parte das letras que estavam para lá a cantar, escusado será dizer que olhámos uma para a outra e, partimos-nos a rir, de tão ridícula que era a letra. Já antes tínhamos apanhado uma cover de Tony Carreira em que parecia que não iam acabar a prolongação do aaaaaaaaaaaaaaaahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh nunca mais.

A música, como dá para perceber, era um bocado contraditório, tanto elogiava como denegria a moça.

O que acho piada sem dúvida, é estar toda a gente de pé com os braços cruzados, como se estivessem a divertir imenso.