História de aventureiros e patifes - George R. R. Martin & Gardner Dozois, opinião



Sinopse:
RECOMENDAMOS CAUTELA A LER ESTES CONTOS: HÁ MUITOS PATIFES À SOLTA.

Há personagens malandras e sem escrúpulos cujo carisma e presença de espírito nos faz estimá-las mais do que devíamos. São patifes, mercenários e aldrabões com códigos de honra duvidosos mas que fazem de qualquer aventura uma delícia de ler.
George R. R. Martin é um grande admirador desse tipo de personagens – ou não fosse ele o autor de A Guerra dos Tronos. Nesta monumental antologia, não só participa com um prefácio e um conto introduzindo uma das personagens mais canalhas da história de Westeros, como também a organiza com Gardner Dozois. Se é fã de literatura fantástica, vai deliciar-se!

AO LER ESTE LIVRO, ESTARÁ A ASSINAR UM PACTO DE COMUNHÃO COM OS SEGUINTES AUTORES:
Gillian Flynn – autora de Em Parte Incerta
Neil Gaiman – autor de Sandman
Patrick Rothfuss – autor de O Nome do Vento
Scott Lynch – autor de As Mentiras de Locke Lamora
Connie Willis – autora de O Dia do Juízo Final

E MUITAS OUTRAS MENTES PERVERSAS DA LI ERATURA FANTÁSTICA.




Opinião:

De forma a começar muito bem, o livro foi publicado em Portugal com metade dos contos (podiam pelo menos tê-lo dividido em duas partes), o que é pena. Ao longo do livro vamos encontrando alguma expressões esquisitas ( mal traduzidas).
Todos os contos do livro vêm acompanhados de um texto introdutório sobre o autor e, grande parte deles são de personagens já criadas pelos escritores. Apesar de já ter ouvido falar de alguns escritores que vêm no livro, ainda não tinha lido nada de nenhum.

Como o Marquês recuperou o seu caso, Neil Gaiman
A principal personagem desta história é o Marquês de Carabás, a quem roubaram o seu casaco multifunções. A história decorre numa Londres subterrânea com personagens sobrenaturais, e centra-se na recuperação do casaco do Marquês.

Proveniência, David W. Ball
O negociador de arte pretende vender um quadro de Caravaggio. ao longo do conto vamos descobrindo quem é o negociador, até chegarmos a um coronel nazi da 2ª Guerra Mundial.
Adorei o conto.

Qual é a sua profissão?, Gillian Flynn
Um conto sobre as aparências e a aldrabice. A protagonista assume-se como prestadora de serviços, acabando por se envolver com gente ainda mais maluca que ela.
Gostei deste conto, mas de alguma forma esperava um final diferente.

Um ano e um dia na velha Theradane, Scott Lynch
Dois feiticeiros entretêm-se em jogos de poder, enquanto Amarelle e uns amigos (um grupo de antigos ladrões) se encontram num bar, desta forma, acabam por arruinar o encontro. Amarelle, bêbeda, decide ir procurar umas das feiticeiras de forma a ajustar contas, o encontro corre mal e, vê-se obrigada a roubar uma rua, tendo um anos e um dia para o fazer, de forma  a sair ilesa da situação.
Gostei deste conto, se houvesse um livro com estas personagens, sem dúvida que o leria.

Uma forma melhor de morrer, Paul Cornell
Neste conto, Hamilton,  encontra-se no final da sua carreira, sendo chamados pelos seus superiores para uma última missão: encontrar nutra dimensão uma versão mais nova de si próprio, que, se tornou uma ameaça ao rei.
Não gostei particularmente deste conto, a história é um pouco confusa.

A caravana para nenhures, Phyllis Eisentein
Alaric é um bardo que se junta a uma caravana que viaja pelo deserto a negociar mercadorias. Tem a capacidade de se teletransportar e pretende fazer uma canção sobre aquela viagem. Ao longo da viagem tem de lidar com o estranho filho do chefe da caravana, que ao longo do caminho vê uma cidade fantasma no horizonte e que tenta perseguir. No local onde deveria acontecer a troca de bens, são atacados.
Gostei deste conto.

Galho Vergado, Joe R. Lansdale
A filha da namorada de Hap desapareceu e, este decide ir procurá-la, pedindo ajuda ao seu amigo Leonard. A rapariga já esteve envolvida em prostituição, tráfico de drogas e, apesar de já ter sido tirada inúmera vezes dessa vida, acaba por voltar.
As coisas não correm tão bem como o esperado e Hap e Leonard, acabam por fazer justiça com as próprias mãos, mas, no fim conseguem resgatá-la.
Gostei deste conto,  tem bastante ação e algum humor.

A árvore reluzente, Patrick Rothfuss
A árvore reluzente, vai buscar Bast, uma personagem secundária de O nome do vento. Bast vai todos os dias para o pé de uma árvore, onde crianças e jovens o procuram para conselhos de determinados assuntos, trocando favores, segredos ou tarefas. Usa as informações que recolhe a seu prórpio favor.
Bast é do porvo Fae (uma criatura mágica) e fica um pouco relutante em responder a uma pergunta que uma criança lhe coloca sobre o mesmo, pois, tem receio de revelar a sua identidade.
Gostei deste conto, a personagem de Bast, é sem dúvida bastante interessante.

Em exibição, Connie Willis
Este conto situa-se no futuro, ainda que não muito distante. Passa-se numa cadeia de cinemas no futuro, em que ir ao cinema é muito mais que ver o filme, desde as cafetarias temáticas, aos parques de diversões e às lojas de merchandising.
A protagonista tenta ver um filme que está em exibição, mas devido a diversos problemas não consegue entrar na sala.
Gostei bastante deste conto, estranhamente, se coisas deste género acontecessem num cinema atualmente, era algo que não me espantava muito.

O Princípe de Westeros. O irmão do Rei, George R. R. Martin
Este conto surge como um relato histórico que antecede as Crónicas de Fogo e Gelo. É sobre o Rei Viserys I Targaryen e o seu irmão Daemon Targaryen, que é o canalha da história que, sempre teve aspirações para o Trono de Ferro, mas nunca lá chegou. É o relato das intrigas, paixões, ódios presentes na família.
Estava bastante expectante de ler este conto, pois, apesar de ainda não ter lido as Crónicas de Gelo e Fogo, comecei a ver a Guerra dos tronos. Gostei do conto mas, acho que para quem não leu/viu a série pode ser um pouco desinteressante.

Sem comentários:

Enviar um comentário